segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Cristal Murano, de Veneza





cristal Murano tem sido um famoso produto da ilha Veneziana de Murano por séculos. Localizado fora da costa de Veneza, Itália, Murano foi um porto comercial a tanto tempo que fica entorno do século VII. Pelo século X se tornou uma conhecida cidade de comércio. Hoje Murano permanece como destino para turistas e amantes de arte e de joalheria.


Murano, embora descrita como uma ilha da Lagoa de Veneza, é de facto um arquipélago de sete ilhas menores, das quais duas são artificiais (Sacca Serenella e Sacca San Mattia), unidas por pontes entre si. Tem aproximadamente 5500 habitantes e fica a somente 1 km de Veneza. Murano é um local famoso pelas obras em vidro, particularmente candeeiros.


Murano foi fundada pelos romanos, e desde o século VI foi habitada por gente procedente de Altino e Oderzo. A principio, a ilha prosperou como porto pesqueiro e graças à produção de sal. Era um centro de comércio. Com o porto controlavam a ilha de Santo Erasmo. A partir do século XI a cidade começou a decair devido a muitos habitantes se mudarem para Dorsoduro. Tinham um grande poder local, como o de Veneza, mas desde o século XIII Murano foi governada por venezianos. Contrariamente a outras ilhas da lagoa, Murano cunhava as suas próprias moedas.
Em 1291, todos os cristaleiros de Veneza foram obrigados a mudar-se a Murano devido ao risco de incêndio, porque a esmagadora maioria dos edifícios de Veneza era construída em madeira. Durante o século XIV, as exportações começaram e a ilha ganhou fama, inicialmente pelo fabrico de missangas de cristal e de espelhos. O cristal aventurine foi inventado na ilha e, durante algum tempo, Murano chegou a ser o maior produtor de cristal da Europa. O arquipélago, mais tarde, ficou conhecido pelo fabrico de lustres. Embora tenha havido grande queda durante o século XVIII, a cristalaria continuou a ser a industria mais importante da ilha.


No século XV, a cidade tornou-se popular como lugar de férias dos venezianos, e construiu-se um palácio, mas esta moda extinguiu-se depois. O campo da ilha era conhecido pelas suas árvores de fruta e jardins até ao século XIX, quando começaram a construir-se mais casas.

As atrações da ilha são a Igreja de Santa Maria e São Donato, conhecida pelos seus mosaicos bizantinos do século XII, e porque se diz que alberga os ossos de um dragão que matou São Donato; a Igreja de São Pedro Mártir e o Palácio da Mula. As atrações relacionadas com o cristal incluem muitas obras neste material, algumas delas da época medieval, em espaços abertos ao público. Há um Museu do Cristal (Museo Vetrario) que se encontra no Palácio Giustinian.

VÍDEO : Mestres do Murano


https://youtu.be/CNu8qoTREFk



Sobre o Coral

                                                                 O CORAL



A origem do coral se perdeu nas brumas da lenda há séculos: Ovídio em seu "Metamorphosis" e Plínio, o mais velho em sua "Naturalis historia" tanto coral atribuída a mesma gênese mítica; o sangue da cabeça da terrível Medusa, cortada por Perseu, escorria para o mar e se transformou em coral.
Com a sua cor quente e brilhante, as suas origens marinhas, a sua natureza ambígua, coral deve ter tido um efeito profundo sobre os povos do Mediterrâneo, os  primeiros que começaram a trabalhar e a sua divulgação em todo o mundo.

Não é uma planta, mesmo que ele tem filiais e, como André Peyssonnel, um médico de Marselha, descoberto apenas no início do século 18, não é mesmo um mineral, embora seja petrificado.

É, de fato, a secreção de calcário de uma colónia de pólipos.

O coral mediterrâneo vermelho fascinam todas as pessoas que entraram em contato com ele, criando ligações especiais entre eles, com base em suas competências, maravilhas foram reconhecidas.

Alguns sítios arqueológicos na Sicília, Sardenha e Síria, onde ornamentos em coral foram encontrados, nos levaria a crer que o coral já era conhecido há milhares de anos, mas é evidente que os antigos gregos valorizando-o como uma jóia ou como um medicamento .

Alexandre, o Grande tinha um ambicioso plano  para unificar o Oriente e o Ocidente como um grande império, não só através de campanhas militares, mas também através de intercâmbios culturais melhorados pelo comércio pesado, juntando povos de diferentes culturas e costumes e, assim, ajudou a difusão de coral em lugares tão distantes como Índia.
Plínio dá indícios precisos deste propagação em sua "Naturalis Historia", dizendo: "índios valor coral tanto quanto valor Romanos pérolas indianas, o custo varia de acordo com a importância dada por cada população".

A pesca de coral e de trabalho foram realizadas em todos os países do Mediterrâneo e de lá, coral foi exportado para o mundo conhecido, seguindo reverter as rotas utilizadas para importar especiarias, seda, pomadas e outros bens preciosos.

Apesar da distância significativa, coral tornou-se profundamente enraizada nos costumes desses povos nômades do leste onde foi mesmo usado como um ornamento para seus cavalos, como uma proteção antes das batalhas.

Parece que a pesca sistemática e trabalho de coral na Itália começou em Trapani (Sicília), onde os artesãos logo se tornaram mestres escultores, especializadas na inserção de pequenos pedaços de coral vermelho para os artefatos decorativos de ouro usados ​​em paramentos religiosos e objetos de decoração.

Esta arte foi estimado pelos judeus locais, que, uma vez que eles foram forçados a fugir, levaria o seu conhecimento onde quer que eles se estabeleceram; é por isso que o título de "capital do coral" tem muitas vezes se mudou, fazendo com que a ascensão e queda de Trapani, Genoa, Livorno e Marselha.
Desde 1400 Torre del Greco tem sido conhecida como um centro de especialistas dedicados à arte de pesca de coral.

Seus pescadores famosos eram tão hábeis em seu ofício que se aventuraram na medida em que as costas africanas com seus pequenos barcos chamados "coralinas".

Infelizmente sua vida foi feito muito difícil no século 18, devido aos perigos de ser atacado por piratas árabes e a rivalidade e atrito com o francês Compagnie Royale d'Afrique, que estava tentando impor o monopólio da pesca de coral.
Como resultado, em 1780 pescadores de coral de Torre pediu ao governo Bourbon para mais proteção e regulação para a sua indústria, e esta petição levou à publicação oficial do "Código Coral" em 1790. Além disso, a conveniência de localizar o trabalho e venda de coral em Torre del Greco em si, onde a matéria-prima foi facilmente disponíveis não passou despercebido.

Em 1790, a "Royal Coral Company" foi estabelecido, que concedeu as pessoas de Torre de um monopólio em seu precioso "ouro vermelho".

Infelizmente, esta empresa não foi bem sucedida e os esforços dos Bourbons para suportar um impulso inicial de coral-de trabalho "in loco" não deu os resultados desejados, mas em pouco tempo, a mesma missão foi realizada por Paolo Bartolomeo Martin de Marselha, que em 1805 obteve uma licença de 10 anos e monopólio por Ferdinand IV (também aprovado um ano mais tarde por Joseph Bonaparte) e, finalmente, construiu a primeira fábrica em Torre del Greco, em 1805.

Desde então, a história de coral em Torre del Greco cresce confunde com a história da família de De Simone, de facto, um ancestral de sua provavelmente trabalhou como aprendiz na fábrica da Martin e mais tarde, em 1830, montou seu próprio negócio.

Do site : http://www.antoninodesimone.it/

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Pérolas de água salgada

Pérolas de água salgada





São as pérolas que se usam desde a antiguidade.
Antes a única forma de conseguir-las era mergulhando, em áreas onde costumavam ter tubarões e medusas, colocando em risco a vida do buscador de pérolas. 
Tinha que pegar as ostras e abrir-las para ver se havia uma "surpresa". 
São as pérolas mais caras por sua qualidade, mas também porque é um recurso muito escasso. Atualmente estas pérolas são peças de colecionador e são pérolas antigas, já não se buscam estas peças para comercializar-las.

Hoje em dia pode criar as ostras em viveiros e cultivar pérolas colocando dentro delas um núcleo. 
O resultado é o mesmo que no processo totalmente natural, a única diferença é que o ser humano induz o processo no lugar de esperar que aconteça sozinho.
Nas ostras se coloca um núcleo duro, normalmente uma conta feita com pedaços de outros moluscos. Ao detectar a invasão o animal pode reagir criando a pérolas ao redor do núcleo. 
Depois de um certo tempo, que pode ser anos, tem que abrir a ostra e ver se formou a pérolas e se têm a qualidade desejada. O processo pode ser feito por Raios X.

Entre as pérolas cultivadas de ostra, podemos destacar as pérolas de Tahiti, com uma cor escuro característica entre o azul, e prateado, o verde e o roxo.
A cor Tahiti se costuma ver em pérolas cristal que imitam estas extraordinárias jóias.
As pérolas Akoya são do Japão e é uma das primeiras pérolas que foi cultivada. 
Têm mais brilho que qualquer outro tipo de pérolas. São pérolas pequenas porque estas ostras são das mais pequenas que produzem pérolas.
Destaca-se também as pérolas australianas e as Mabe.

Tecelagem em Ouro

Tecelagem em Ouro 




Você já pensou em ter uma roupa feita de ouro? Não apenas adornos sobre um tecido de fibra natural mas um verdadeiro tecido delicado feito com fios de ouro???
Pois é, isso existe...



A joalheria japonesa Ginza Tanaka, do grupo Tanaka Kikinzoku, elabora delicados tecidos compostos por fios de ouro muito finos.
Trata-se de uma antiga técnica que foi resgatada pela empresa que completou 115 anos em 2007. Nos tempos antigos eram tecidos 3 cm por dia, hoje a indústria consegue concluir um maiô como o visto na foto em 32 dias. Para essa peça foram usadas 300 bolas de fios de ouro. O designer responsável é Mr. Akihiko Izukura.
A técnica utilizada hoje tem como base a tradicional e antiga técnica chinesa chamada “Raori”, do período Asuka, no século VII. Pouquíssimas peças podem empregar essa técnica visto a delicadeza e fragilidade do material, além da dificuldade na manufatura.
Os fios de ouro aplicados nessas peças foram exclusivamente desenvolvidos por Tanaka Denshi Kogyo, empresa do grupo Tanaka Kikinzoku. Esse fio é chamado “fio de ligação”. O ouro é fundido e vazado em uma forma alongada e fina. O principal objetivo da sua utilização é para o material semicondutor, para ligar os dois eletrodos.
O vestido mostrado na foto está avaliado em 30 milhões de yen.
Ginza Tanaka esteve sempre preocupada em desenvolver e aprimorar técnicas que pudessem potencializar o uso do ouro e da platina em diversas formas e peças, os produtos de tecelagem em ouro são parte desse grandioso projeto.
É a sabedoria de nossos ancestrais mesclada à versatilidade e facilidade de nosso tempo informatizado criando belezas ainda maiores.

Para mais detalhes visite o site da joalheria: http://www.ginzatanaka.co.jp e fique ainda mais encantado com esse trabalho.


            
Do Blog : http://www.joia-e-arte.com.br/Joiasnomundo/japao.htm